PARQUE NATURAL DO MARÃO ALVÃO Visitas Virtuais 360º




O Parque Natural do Alvão (PNAl) situa-se na zona de transição entre o Minho e Trás-os-Montes em territórios pertencentes aos concelhos de Mondim de Basto e Vila Real, perfazendo 7220ha de área total. A serra do Alvão, paredes meias com o Marão, é uma área com formações xistosas do Silúrico de grande interesse paisagístico e geológico, cujo fulcro é a queda de água do rio Olo, em Fisgas de Ermelo. Aí, onde ocorrem quartzitos do Ordovício Inferior, dispõem-se as bancadas em anticlinal aberto e de eixo inclinado para SW, i.e. para jusante do rio Olo. A sua altitude é de 800 m, descendo em várias cascatas, um desnível de 250 m num percurso de 1500 m. As Fisgas de Ermelo constituem uma das paisagens geomorfologicamente mais interessantes do Parque. Neste local, uma imponente barreira quartzítica obriga o rio Olo a correr enfisgado e origina um desnível de cerca de três centenas de metros por onde o mesmo se precipita formando uma atraente queda de água. O retalhado das falhas, a grandeza do desnível e o tom amarelado das rochas, fruto da presença de líquenes amarelos, conferem ao conjunto um poder e atração evidentes.
Em toda esta região a avifauna é abundante e diversificada, incluindo, nomedamente a águia-real, a qual ainda recentemente ali nidificava. Entre os mamíferos estão presentes, entre outros, o javali Sus scrofa, o corço Capreolus capreolus, o texugo Meles meles, a lebre Lepus granatensis e o coelho Oryctolagus cuniculus. Entre os répteis pode encontrar-se o sardão ou lagarto-de-água Lacerta schreiberi e a víbora cornuda Vipera latastei.
Não menos notável é a arquitetura tradicional de alguns dos seus povoados, sobretudo em Ermelo e Lamas de Olo, com uma arquitetura serrana própria e aspetos sociológicos, artesanais e paisagísticos de grande interesse, sem esquecer Fervença, com a sua zona agrária verdejante e formosa, disposta numa sucessão de socalcos.


My Image
My Image